O surgimento da Educação Permanente e seus principais conceitos

    Educação Permanente o que é

    O surgimento da Educação Permanente

    26 na década de 60 e que teve por tema: “A Educação de Adultos num Mundo em Transformação”.

    A Educação Permanente era definida como um “processo ininterrupto de aprofundamento tanto da experiência pessoal como da vida coletiva que traduz pela dimensão educativa que cada gesto ou função assumirá” (COLLET,1976, p.18).

    A UNESCO reforça que a Educação Permanente e sua função educativa devem corresponder às dimensões de toda a sociedade, estendendo-se para todos os domínios: lazer, vida em família, participação social, vida profissional, entre outros aspectos da existência humana (GADOTTI, 1992).

    Entretanto, nestes contextos, percebemos que o nascimento da Educação Permanente emergiu num determinado período para atender as demandas específicas, assumindo em sua essência um papel de adaptação necessária às exigências do mundo do trabalho.

    A Educação Permanente na área da Saúde

    O conceito de Educação Permanente em Saúde (EPS) emerge nesta concepção histórica de Educação Permanente como uma demanda de conhecimento e organização do processo de trabalho, sendo difundida em meados de 1980, através de iniciativas de duas Organizações: a Organização Pan-Americana da Saúde e da Organização Mundial da Saúde com o desenvolvimento do Programa de Desenvolvimento de Recursos Humanos.

    Já na esfera nacional, a Educação Permanente em Saúde está nas entrelinhas da Constituição Federal (1988): “ao Sistema Único de Saúde compete, além de outras atribuições, nos termos da lei, ordenar a formação de recursos humanos na área da saúde”

    Entretanto, se analisarmos o nascimento e difusão do contexto da Educação Permanente em Saúde na década de 1980, pelo mundo, verificaremos que no Brasil estes conceitos se solidificaram nos anos 2000 com a publicação de Políticas sobre o tema. Surge então uma proposta no Ministério da Saúde: definir a Educação Permanente em Saúde como um enunciado ético-político-pedagógico com foco na transformação e qualificação da saúde, contidas em Portarias específicas as quais você pode ler aqui.

    A Educação Permanente em Saúde traduz então uma proposta de valorização do saber dos profissionais de saúde, da construção de atitudes críticas e reflexivas, permeando as transformações das práticas profissionais.

    Referências:

    COLLET, Heloisa Gouvêa. Educação Permanente: uma abordagem metodológica. Rio de Janeiro: Departamento Nacional SESC, 1976.

    GADOTTI, Moacir. A Educação contra a Educação. 5.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *