Controle da resistência aos Antimicrobianos

    Controle de antimicrobianos

    Plano Nacional de Prevenção e controle da resistência aos Antimicrobianos

    O Plano Nacional de Prevenção e controle da resistência aos Antimicrobianos lançado recentemente de vigência 2018-2022, foi construído por uma equipe constituída a partir da interação de outros setores do governo, além do ministério da saúde. Inclui-se neste processo as pastas do Meio Ambiente, da Agricultura e Pecuária, das Cidades, da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Fundação Nacional de Saúde. Este Plano tem vigência de 5 anos e deverá ser avaliado anualmente, podendo sofrer ajustes e adaptações por necessidade das áreas responsáveis pela execução.

     

    O que diz o Plano Nacional de Prevenção e controle da resistência aos Antimicrobianos

    O documento contém:

    • 14 Objetivos Principais
    • 33 Intervenções Estratégicas
    • 75 Atividades, alinhados aos 5 Objetivos Estratégicos do Plano de Ação Global

    Segundo o Ministério da Saúde, o principal objetivo deste plano é proteger a saúde da população, em especial do paciente hospitalizado, e impactar na economia do país ao minimizar o risco na cadeia alimentar e no meio ambiente.

    Na área hospitalar destacamos aqui o papel da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar neste processo, com sua atuação na prevenção e controle das infecções relacionadas à assistência à saúde, como por exemplo a pneumonia associada à ventilação mecânica , a infecção de sítio cirúrgico, a infecção do trato urinário e a infecção de corrente sanguínea.

    Alguns dos objetivos estratégicos mencionados no Plano Nacional de Prevenção e controle da resistência aos Antimicrobianos  incluem:

    1. Melhorar a conscientização e a compreensão a respeito da AMR por meio de comunicação, educação e formação efetivas
    2. Fortalecer os conhecimentos e a base científica por meio da vigilância e pesquisa
    3. Reduzir a incidência de infecções com medidas eficazes de saneamento, higiene e prevenção de infecções
    4. Otimizar o uso de medicamentos antimicrobianos na saúde humana e animal
    5. Preparar argumentos econômicos voltados para um investimento sustentável e aumentar os investimentos em novos medicamentos, meios diagnósticos e vacinas

     

    Referência: Plano Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos no Âmbito da Saúde Única 2018-2022.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *